O rato da cidade e o do campo

Um rato que morava na cidade, foi passear no campo. Recebeu-o e agasalhou-o um amigo que o levou para os seus palácios subterrâneos, e deu-lhe um banquete de ervas e raízes. Maldizendo em presença de tais iguarias a louca lembrança do seu rústico passeio, o rato da cidade, obrigado a jejuar, disse por fim: “Amigo, tenho dó de você; como  pode ficar resignado com semelhantes coisas? venha comigo para a cidade e veja o que é fartura, o que é viver…”.  O outro aceitou. À noitinha estavam ambos em uma bela e rica residência, em bem provida despensa: queijos, lombos, o perfumado toucinho, tudo os incitava; desforrando-se de sua longa dieta, o rato do campo regalava-se. Subitamente range a porta, entra o dono e: com ele, dois gatos. O rato da casa achou logo o seu buraco; o hóspede, sobressaltado, pulando de prateleira em prateleira, mal escapou com a vida, e despedindo-se do amigo, disse: “Adeus, camarada, fique com as suas farturas; mais vale magro e faminto no mato, do que gordo na boca do gato”.

MORALIDADE: Sem sossego de espírito de que valem os outros bens?

Anúncios
Esse post foi publicado em Burrosofia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s