Arquivo da categoria: Crônica

Rodyneison: O Urubu Suspeito

Quando o Delegado Jorjão chegou na clareira aberta na mata, a confusão já estava formada. De um lado, os cães policiais que fizeram a captura do suspeito de furtar a Dona Hermengarda – uma capivara que roía as unhas de … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Caramuru

Todos conhecem a história de Diogo Álvares Correia – o Caramuru –,  mas o que poucos sabem realmente é de onde veio a fama do português. Diogo ficou conhecido por um suposto tiro de arma de fogo que assustou os índios e … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Marcado com , , | 2 Comentários

Abigail e Mustafá

Abigail é uma moça que mora no casarão no número 10 da Rua Aristides Bueno, uma rua lateral à praça principal (e única) do centro de São João do Quentão.  Com ela moram a mãe, Dona Regina Célia, e um … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Os Donos da Terra

A situação ainda parecia sob controle quando o Delegado Jorjão – um tatu de óculos de fundo de garrafa – chegou ao local. De um lado, um grupo de pássaros e aves liderados por uma saíra azul chamada Zuleica. Do … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

O Asno e o Cachorrinho (Esopo)

Vendo um asno que seu dono acarinhava muito a um cachorrinho, porque este vinha ao seu encontro saudando-o com mimos e caretas, disse a si mesmo: “Se um animal tão pequeno é tão querido do meu amo e da sua … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Marcado com , , | Deixe um comentário

A Enguia (Olavo Bilac)

Ao alvorecer, na pequenina aldeia, à beira-mar, padre João, ainda estremunhado de sono, vai seguindo a praia branca, a caminho da igrejinha, que parece ao longe, clara e alegre, levantando no nevoeiro a sua torre esbelta. Lá vai o bom pároco dizer … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Esaú e Jacó – Caso do Burro

Foi o caso que uma carroça estava parada, ao pé da Travessa de São Francisco, sem deixar passar um carro, e o carroceiro dava muita pancada no burro da carroça. Vulgar embora, este espetáculo fez parar o nosso Aires, não … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Deixe um comentário